A evolução completa dos consoles da Nintendo

0 3.937 Visualizações

Sabemos a importância da Nintendo durante esses mais de 40 anos na industria dos videogames e entretenimento. Mas você conhece toda a sua trajetória? Todos as evoluções que os consoles passaram para chegar as tecnologias que conhecemos hoje?

Pensando nisso, a MundoNintendo criou um conteúdo super especial, baseado em uma linha do tempo, com todas as fases e contando no detalha toda a evolução da Nintendo até o nosso conhecido Nintendo Switch. Você pode navegar pelo nosso índice selecionando uma das fases na linha do tempo ou apenas rolar a página. Confere aí!

Linha do Tempo dos Consoles Nintendo

1977 – Color TV-Game 6

Muitos acreditam que o primeiro videogame Nintendo foi o conhecido Nintendinho 8 bits, está totalmente enganado. Lá em 1977, a empresa anunciou no Japão o TV-Game 6, já em duas versões de cores: amarelo e laranja. O aparelho vinha com apenas três jogos na memória, entre eles handball, tennis e hockey, podendo ser jogados por um ou dois jogadores ao mesmo tempo. (Isso na época era incrível!) O primeiro console da Nintendo vendeu 1 milhão de unidades.

Retornar para linha do tempo

1977 – Color TV-Game 15

Com sucesso do TV-Game 6, no final do mesmo ano, o Color TV Game 15 foi lançado. A diferença basicamente o incremento de 15 jogos coloridos variantes do pong e os controles que agora podiam ser destacados do console. A quantidade de cores também aumentou passando para 3 modelos: amarelo, branco e laranja.

Retornar para linha do tempo

1978 – Block Kuzushi

O Block Kuzushi, que chegou em 1978 no Japão, foi o primeiro utilizar marca “Nintendo”. O console mudou o rumo de trazer quantidade de jogos mas sim um novo elemento para o gameplay: uma versão parecida com Breakout. Apesar de conter apenas um único game o console fez sucesso e conseguiu vender mais de 400 mil unidades no Japão.

Retornar para linha do tempo

1978 – Color TV Game Racing

No mesmo ano, a Nintendo quis aumentar sua gama de jogos, e trouxe um novo console se focando em jogos de corrida Nintendo Color TV Game Racing. O seu volante controlava o carrinho em mais de (pasmem!) 112 combinações de jogos coloridos de corrida. Os controles também eram destacáveis e botões giratórios. O aparelho também possibilitava disputas entre dois jogadores.

Retornar para linha do tempo

1980 – Game & Watch

Período de fabricação: 1980-1991
Unidades vendidas: 43,4 milhões

Em 1980 a Nintendo lança um console portátil chamado “Game & Watch” que não possuía entrada para cartuchos, para poder jogar jogos diferentes nesse portátil era preciso comprar um novo console já que não havia entrada para cartucho.

Foi o primeiro console com botão direcional, que virou marca registrada da Nintendo, além de Luigi fazer sua primeira aparição, em 1983. O console foi pouco vendido, mas não chegou a ser um fracasso total, tendo jogos como: Donkey Kong, Mario Bros, Mr. Game & Watch e Donkey Kong Jr.

Retornar para linha do tempo

1983 – Nintendo Entertainment System (NES)

Período de fabricação: 1983-2007
Total de vendas: 61,9 milhões
Jogo mais vendido: “Super Mario Bros.” (40 milhões)

Com a Nintendo focando em minigames portáteis como o Game & Watch, a empresa decidiu redirecionar todos os seus esforços em lançar seu próprio videogame de mesa, o denominado Famicom no Japão, se tornou muito popular. Entretanto, nos Estados Unidos, a industria dos videogames enfrentava um problema sério envolvendo a queda do Atari, acreditando não haver mais credibilidade para os videogames.

Aos poucos, e com muito trabalho, a Nintendo conseguiu encaminhar o conhecido Famicom para o ocidente, com o nome oficial e mais conhecido por muitos como, Nintendo Entertainment System (NES), também conhecido como o Nintendo 8 Bits.

Com base disso, abriu-se espaço para jogos como Super Mario Bros. – oriunda da das mesas de fliperama Donkey Kong, além de Metroid e The Legend of Zelda, os quais firmaram a empresa como líder na época. Clássicos que se tornaram tão populares que temos um foco e popularidade até hoje.

Retornar para linha do tempo

1989 – Game Boy

Período de fabricação: 1989-2003
Total de vendas: 118,6 milhões
Jogo mais vendido: “Tetris” (35 milhões)

O sucesso de NES no mercado ocidental fez com que as portas se abrissem para a Nintendo. Logo a Nintendo aproveitou disso para reavivar suas ideias mirabolantes sobre portáteis. Nasceu assim o GameBoy.

Em 1989 surgiu o que seria futuramente o portátil mais vendido da Nintendo, o Game Boy. A inovação da Big N chegou ao auge dentro da industria de games na época. Lançando um “micro” console que era possível ter entrada para cartuchos. Associado ao game “Tetris” liderou o mercado de videogames na época, chegando ao número de 10 milhões de vendas. Para se ter uma noção até Bart Simpson tinha um Game Boy no desenho, além de sua primeira versão aguentar até 30 horas de uso.

O sucesso se tornou ainda maior e se tornou a galinha de ovos de ouro da Nintendo quando o console recebeu Pokémon Red e Pokémon Blue. O conceito de “monstrinhos de bolso” se encaixou perfeitamente com o conceito do console e fez o game disparar as vendas do console em mais 20 MILHÕES de vendas em curto espaço de tempo, considerando como um jogos mais aclamados de toda a Nintendo.

Retornar para linha do tempo

1990 – Super Nintendo

Período de fabricação: 1990-2003
Total de vendas: 49,1 milhões
Jogo mais vendido: “Super Mario World” (20,6 milhões)

Enquanto o NES fazia sucesso no Japão e Estados Unidos. Na Europa e Brasil surgia a Sega com seu Master System, um concorrente de peso. Mesmo não conseguindo atrapalhar aos planos da Nintendo, existia uma competição entre o Mega Drive (1989). Com isso, veio a Nintendo e para acabar com a festa, trouxe o Super Nintendo com um processador de 16 bits, o dobro do Nintendinho (8 bits).

Considerada uma das gerações mais amadas e queridas entre os fãs, sempre com um assopro de fita aqui e ali. Foi uma geração de muitas brigas entre Sega e Nintendo, a qual trouxe bons e inesperados resultados. Por existir essas disputas, quem ganhava eram os jogadores, duas plataformas sempre com excelentes jogos.

Em quesito de esportes o Super Nintendo perdia muito para o Mega Drive, mas acaba vencendo em popularidade quanto trouxe jogos como Super Mario World e Donkey Kong Country, o jogo que inclusive ajudou a construir a tecnologia para o filme Jurassic Park. Se não bastasse, foi a plataforma que lançou Final Fantasy no ocidente, ganhando três capítulos da série e muitos outros RPGs que se tornaram clássicos, como Chrono Trigger.

Retornar para linha do tempo

1993 – Famicom AV

Período de fabricação: 1993-1995
Aparelho do qual deriva: NES

O Famicom AV foi uma evolução do NES japonês. Tínhamos por dentro o bom e velho console 8 bits mas por fora tivemos mudanças do design, seu tamanho foi reduzido pela metade e a entrada de cartuchos passou a ficar em cima, em vez de frontal. A produção não foi tão alta e como havia uma demanda específica japonesa o console se tornou uma raridade, um aparelho novo custa facilmente acima de US$ 1.200.

Retornar para linha do tempo

1995 – Virtual Boy

Período de fabricação: 1995-1996
Total de vendas: 770 mil

O primeiro console “portátil” com 32 bits e 3D da história! Ele vinha com um processador super poderoso, NEC V810 RISC de 32 bits 20 MHz e duas telas LCD que geravam imagens monocromáticas em vermelho. Com essa tela, tínhamos o efeito de três dimensões. A Nintendo se preocupou com a acessibilidade, inclusive era possível ser usado por destros e canhotos. Isso não lembra um Oculus Rift ou HTC Vive?

Mas um dos pontos negativos, e o que ocasionou seu fracasso foi o fato dele causar muitas tonturas, enjoos e dor no pescoço por quem jogasse por um longo período de tempo. Entretanto, hoje ele é considerado um item muito valioso para os colecionadores, principalmente pela quantidade na produção inicial.

Retornar para linha do tempo

1996 – Nintendo 64

Período de fabricação: 1996-2003
Total de vendas: 31,9 milhões
Jogo mais vendido: “Super Mario 64” (11,9 milhões)

O fracasso do seu antecessor Virtual Boy fez a Nintendo correr atrás, e lançar às pressas o Nintendo 64, em 1996, com apenas três jogos: Super Mario 64, Wave Race 64 e PilotWings 64. O console prometia introduzir uma nova era de jogos, marcando permanentemente a passagem dos gráficos 2D para o 3D.

O Nintendo 64 se tornou famoso pelo seu controle em um formato muito ergonômico e único, além de introduzir a alavanca analógica, algo que se tornaria padrão nos atuais consoles. Mais tarde a Nintendo deixaria o console famoso devido a sua personalização no aparelho, devido a diversidade de cores disponíveis na hora da compra.

Entretanto, várias outras decisões da empresa prejudicaram o videogame, como a escolha por cartuchos – que possuíam alto custo de produção quando comparados aos CDs aderidos na concorrência. Produtoras menores também eram barradas de desenvolver para o game, o acabou afastando o console de muitas empresas. No fim das contas, apesar de trazer clássicos, que ficarão na memória de muitos, como Super Mario 64 e The Legend of Zelda: Ocarina of Time, o Nintendo 64 teve um final de vida com poucos jogos e vendas abaixo do esperado. A Sony, que na época era novata no ramo de entretenimento digital se deu melhor com o PlayStation.

Retornar para linha do tempo

1996 – Game Boy Pocket

Período de fabricação: 1996-1999

Chegando em março de 1996, e aqui no Brasil em julho, o Game Boy Pocket veio com uma proposta de ser 30% menor que o Game Boy e tela monocromática cinza e não mais esverdeada, trazendo melhor definição. Funcionava com 2 pilhas AAA, possibilitando que o jogo coubesse na palma da mão, mantendo o mesmo tamanho de tela, porém com mais brilho e nitidez. Tinha o mesmo chip e aceitava os mesmos jogos.

Retornar para linha do tempo

1997 – SNES Baby

Período de fabricação: 1997-2004

Sendo uma variente do Super Nintendo, o denominado de vários como Snes Baby, Snes 2, Snes Jr. ou Snes Mini, essa nova versão ficou muito conhecida aqui no Brasil também. O console era mais compacto e trazia apenas um tipo de saída de vídeo (alguns multi OUT e outros RF) e era compatível com todos os jogos lançados para a primeira versão (SNS-001). A grande sacada da Nintendo nesse modelo foi tentar diminuir o seu custo de produção, logo ele saia por volta de US$ 99,00, o que era uma boa alteranativa para quem não podia pagar o equivalente aos próximos US$ 250,00 pelo Nintendo 64. No Brasil, a Gradiente utilizou o modelo com saída RF.

Retornar para linha do tempo

1998 – Game Boy Color

Período de fabricação: 1998-2003
Aparelho do qual deriva: Game Boy
Total de vendas: 118,6 milhões
Jogo mais vendido: “Pokémon Red and Blue” (23,64 milhões)

O lançamento do Game Boy Color foi uma resposta à pressão das desenvolvedoras de jogos por um sistema de jogo novo e mais sofisticado, já que elas sentiam que o Game Boy, mesmo em sua última versão, o Game Boy Pocket, era insuficiente. O produto resultante era reversamente compatível, o primeiro portátil capaz de fazer isto, expandindo a grande biblioteca de jogos e se instalando na base do seu predecessor. Isto se tornou um elemento chave na linha Game Boy, pois permitia que cada lançamento em sua família tivesse à disposição uma biblioteca significantemente maior do que a de seus competidores desde o começo.

Retornar para linha do tempo

2001 – Game Boy Advance

Período de fabricação: 2001-2010
Total de vendas: 81,5 milhões
Jogo mais vendido: “Pokémon FireRed and LeafGreen” (11,82 milhões)

Apesar das vendas estarem muito boas para a Nintendo, ela sabia que deveria inovar. E como a equipe começou a ficar experiente nos quesitos de hardware portátil, em 2001 a Nintendo inovou trazendo o sucessor de Color, o Game Boy Advance.

O aparelho já vinha com duas CPUs e com tela de 2.9 polegadas em uma resolução de 240 x 160 pixels e paleta com 32.000 cores. Na época, a utilização das cores em um formato de tela era realmente incrível. O console recebeu um formato mais horizontal onde sua pegada ficou melhor, além da adição dos botões L e R, o que potencializou a jogabilidade.

Toda essa inovação e potência ainda utilizando apenas duas pilhas AA. Um dos pontos fortes do aparelho foi o início da conexão sem fio de 4 jogadores além de ter vínculo com o GameCube. Como não se mexe em time que está ganhando, a Nintendo optou por utilizar a retrocompatibilidade, podendo usufruir jogos anteriores de Game Boy e Game Boy Color.

Retornar para linha do tempo

2001 – Gamecube

Período de fabricação: 2001-2007
Total de vendas: 21,7 milhões
Jogo mais vendido: “Super Smash Bros. Melee” (7,1 milhões)

Junto do GBA em 2001 o Game Cube surgiu como o sucessor do N64. O seu visual de primeiro momento se destacou, gerando muitas opiniões. O console recebeu os novos mini DVDs, com objetivo de criar uma exclusividade nas mídias no combate a pirataria.

O Game Cube inicialmente ofereceu modelos de 3 cores: preto, azul e prata. O seu controle ficou muito famoso também pois detinha de uma das melhores ergonomias do mercado na época. Infelizmente, tudo isso não foi o suficiente para ter sucesso, o preço do console era relativamente mais caro que o seu concorrente direto, na época o Playstation 2, além disso com os jogos em preço elevado, a pirataria se tornou muito forte nos CDs normais, fazendo com que a popularidade do console da Nintendo fosse muito fraca.

Retornar para linha do tempo

2003 – Game Boy Advance SP

Período de fabricação: 2003-2010
Aparelho do qual deriva: Gameboy Advance
Total de vendas: 43,5 milhões

Assim como vimos em outros momentos da evolução dos videogames, sempre existia um momento para remodelar os aparelhos e em 2003, foi a vez do Game Boy Advance. A sua versão remodelada se chamava Game Boy Advance SP, que pesava apenas 142 gramas. Tinha iluminação própria e bateria com duração de 10 horas. Além do novo design com formato de concha, no qual a tela é dobrada sobre os botões, dependendo da versão tinha frontlight ou backlight e era possível girar a tela 180º.

Retornar para linha do tempo

2004 – Nintendo DS

Período de fabricação: 2004-2014
Total de vendas: 18,8 milhões
Jogo mais vendido: “New Super Mario Bros.” (30,8 milhões)

Em 2004, a Nintendo apresentou seu novo portátil: o Nintendo DS. Originalmente, ele teria um nome bem estranho, City Boy mas isso não foi para frente. O novo console chegou com um design que deu certo no Advance SP e o sistema de “abre e fecha” agora apresentava duas telas, sendo uma delas sensível ao toque. Isso entregou ao aparelho uma nova forma de jogabilidade, principalmente para jogos de RPG, o principal trunfo do sistema, principalmente pela franquia Pokémon e Final Fantasy estarem presente de forma muito forte nos portáteis Nintendo.

O sistema permitia uma conexão sem fio além de trabalhar com um sistema de mensagens, possibilidade de ler arquivos e-books, tudo partir de um flash card. A essa altura, aplicado a retrocompatibilidade com os cartuchos do GBA, somente.

Retornar para linha do tempo

2005 – Game Boy Micro

Período de fabricação: 2005-2008
Aparelho do qual deriva: Gameboy Advance
Total de vendas: 2,4 milhões

Em 2005, para manter vivo o Game Boy Advance, justo pelo fato que existiam diversas desenvolvedoras lançando jogos para o console, a Nintendo lançou o Game Boy Micro, que possui a mesma tecnologia do GBA, mas remodelado em um formato super portátil, com frente destacável e tela menor mas uma excelente nitidez e iluminação.

Como o foco era um reforço no tempo de vida do GBA, o game não recebeu compatibilidade das versões como Game Boy e Game Boy Color.

Retornar para linha do tempo

2006 – Nintendo DS Lite

Período de fabricação: 2006-2016
Aparelho do qual deriva: Nintendo DS
Total de vendas: 93,8 milhões

O Nintendo DS Lite chegou no início de 2006, sendo uma reformulação do DS. O grande destaque era um reposicionamento da caneca, que facilitava a usabilidade, além de tem três níveis de intensidade de luz. O microfone foi construído entre as duas telas, além de uma bateria mais eficiente do que a anterior.

Retornar para linha do tempo

2006 – Nintendo Wii

Período de fabricação: 2006-2013
Total de vendas: 101,6 milhões
Jogo mais vendido: “Wii Sports” (82,8 milhões)

Um dos marcos na industria dos games. O Nintendo Wii chegou no final de 2006, e se tornou popular em pouco tempo justamente por se diferenciar na inovação e apresentar uma nova forma de jogar videogame: sensor de movimento.

Denominado como Wiimote, um controle sem fio que bastava você mexer os braços para interagir no jogo, fez muita gente que não era apegada em videogames se interessar. Tamanha tecnologia dentro da industria abalou os concorrentes. Inclusive, muitos acabaram criando na sequência suas próprias soluções de movimento, como PS Move e Kinect.

O Wii roda jogos por meio de um tipo de DVD, sendo também capaz de executar games dos seus antecessores a partir de um serviço on-line implementado pela Nintendo, onde o jogador poderia baixá-los.

Retornar para linha do tempo

2008 – Nintendo DSi


O Nintendo DS estava com muito bem obrigado. Entretanto, uma nova reformulação no console foi aplicada 2008. O console entregou novos recursos em relação ao DS Lite, tais como duas câmeras (uma dianteira e outra traseira), um microfone e funções que favoreciam a criação de conteúdos por usuários, além de compartilha-los com outras pessoas.

A bateria do DSi, no entanto, devido a quantidade de recursos adicionados, durava menos tempo, em torno de 9 a 14 horas, em relação ao Lite que chegava em torno de 15 a 19 horas. Porém, não isso não foi um problema, obtendo uma aceitação de público interessante.

Retornar para linha do tempo

2009 – Nintendo DSi XL

Período de fabricação: 2009-2017
Aparelho do qual deriva: Nintendo DS
Total de vendas: 13,1 milhões

A Nintendo sentiu a necessidade de entregar um aparelho com tela maior do que seu original DSi, por isso 1 ano depois, lançou o Nintendo DSi XL. O console tinha uma tela de 4,2 polegadas na diagonal, enquanto o original DSI apenas 3,25 polegadas.
A DSi XL, assim como toda a família DS, inclui uma caneta. E para felicidade de muitos, em meio de tantas reformulações de aparelho, a Nintendo decidiu que os dois modelos de DS teriam, pela primeira vez, o mesmo tipo de modelo de carregador de energia.

Retornar para linha do tempo

2011 – Nintendo 3DS

Período de fabricação: 2011
Total de vendas – 70.2 milhões (até dezembro 2017)
Jogo mais vendido: “Pokémon X and Y” (15,6 milhões)

O Nintendo 3DS foi oficialmente anunciado em 23 de março de 2010. Nessa data, a Nintendo apenas divulgou que esse seria o real sucessor do Nintendo DS e que mostraria imagens em 3D sem a necessidade de óculos especiais. Foi durante a E3 de 2010 que a Nintendo divulgou as primeiras imagens do aparelho.

Lançado em 2011, o Nintendo 3DS trazia como novidade o visor 3D que conseguia reproduzir games em três dimensões sem a necessidade de óculos. Existe um botão de regulagem do 3D além de um novo sensor de movimento e sensor de giroscópio, que possibilitam que o jogador controle a intensidade do 3D e consiga movimentar e inclinar jogos compatíveis com os sensores. A interatividade online foi extremamente aprimorada, e algo que chamou atenção de muitos na época foi as câmeras tiravam fotos também em 3D, sem contar a aplicação dos primeiros recursos de realidade aumentada.

Um dos grande questionamentos do aparelho na época foi o fato da Nintendo apostar em uma super portabilidade, por causa disso, em alguns momentos o console foi considerado tanto quanto desconfortável em sua na pegada, o que não oferecia um bom tempo de jogatina. Pensando nisso, anos depois a Nintendo pensou em um modelo maior, o 3DS XL.

Retornar para linha do tempo

2012 – Nintendo 3DS XL

Período de fabricação: 2012
Aparelho do qual deriva: Nintendo 3DS
Total de vendas: 3,4 milhões (até dezembro 2017)

O Nintendo 3DS XL, conhecido no Japão como Nintendo 3DS LL (não se perca), foi anunciado em 21 de junho de 2012 durante a Nintendo Direct e foi lançado em 19 de agosto de 2012 juntamente com o novo jogo New Super Mario Bros.

Basicamente podemos resumir esse modelo como o 3DS com tela maior, além de 4 Gb de capacidade de armazenamento (o dobro do 3DS original). Para não perder em autonomia, o aparelho chegou com uma bateria maior, que garantia até seis horas e meia de gameplay em jogos 3D e até 10 horas, em jogos 2D. Rodando absolutamente todos os jogos do 3DS original, com ou sem 3D. Essa versão e acabou solucionando o problema do conforto e pegada do controle, presente na primeira versão.

Retornar para linha do tempo

2012 – Wii U

Período de fabricação: 2012-2017
Aparelho do qual deriva: Wii
Total de vendas: 13,3 milhões
Jogo mais vendido: “Mario Kart 8” (7,5 milhões)

O incompreendido Wii U foi lançado em 2012 nos EUA, Europa e Japão. Obtendo suporte para jogos em 1080p e lançado nas versões de 8gb e 32gb, tinha como principal destaque o seu Gamepad, um controle com tela sensível ao toque embutida. Inclusive, foi os primeiros passos para a portabilidade que temos hoje no Nintendo Switch. Onde podíamos jogar os games não necessariamente na TV, mas sim diretamente no gamepad.

O grande problema do Wii U começou antes do seu lançamento. A Nintendo não soube apresenta-lo e não conduziu bem sua estratégia de marketing, fazendo com que as pessoas não entendesse como realmente o Wii U funcionava, e qual motivo delas realmente terem um. Então, com um ritmo de vendas fraco, e um baixo de empresas third-party, o Wii U nasceu prejudicado.

Retornar para linha do tempo

2013 – Nintendo 2DS

Período de fabricação: 2013
Aparelho do qual deriva: Nintendo 3DS
Total de vendas: 7,1 milhões (até dezembro de 2017)

Nintendo 2DS é uma versão de baixo custo do 3DS. Lançado em 12 de Outubro de 2013 na América do Norte, Europa e na Austrália. Ele parte da família de consoles portáteis 3DS. Ou seja, roda todos jogos do 3DS original.A estratégia por trás do 2DS é a ausência do efeito 3D, uma saída de som mais simples e uma única tela LCD, que agora reduz a possibilidade de quebrar, já que não temos a parte “dobrável” do console, assim como em outras versões.De acordo com a Nintendo, o console foi desenvolvido com foco especialmente para crianças pequenas, o que poderia atrapalhar no desenvolvimento da visão.
Além disso, todo esse trabalho de reduz o custo do desenvolvimento e o que acaba oferecendo um valor mais em conta.

Retornar para linha do tempo

2014 – New Nintendo 3DS e 3DS XL

Período de fabricação: 2014
Aparelho do qual deriva: Nintendo 3DS
Total de vendas: 14 milhões juntos (até 2017)

Talvez o maior momento de dúvidas foi quando esse o tal do “New” apareceu nas versões. Na prática, o “New” significa versões dos Nintendo 3DS e 3DS XL mais fortes, tanto em processamento quanto em adicionais, tais como: Segundo analógico (chamado de C-Stick), dois botões extras traseiros (ZL e ZR, sendo que os antecessores só possuíam o L e o R), alteração da localização dos botões Select, Start, do inseridor de cartucho e do controle deslizante de volume, capas trocáveis (somente no New 3DS), suporte ao MicroSD e à tecnologia NFC para utilização de Amiibo, bateria de maior duração, aprimoramento no wifi, sistema 3D sem óculos aprimorado, e alguns poucos jogos exclusivos por causa de seu processador aprimorado.

Retornar para linha do tempo

2017 – Nintendo Switch

Período de fabricação: 2017
Total de vendas: 15,2 milhões (até março 2018)

A Nintendo durante todo esse percurso aprendeu muito com erros e acertos, e diferente do Wii U soube realizar com uma maestria todo um processo de marketing para apresentar seu novo videogame, inclusive divulgou de forma inédita um trailer de console em plena Super Bowl! De fato, a Nintendo não estava para brincadeira.

Em março de 2017, chegou o nosso querido de dupla personalidade, um portátil e também um console de mesa, denominado de Nintendo Switch. O console já iniciou sua vida recebendo críticas muito positivas já antes do seu lançamento, já no seu primeiro trailer. Sendo um consoles da Nintendo que mais recebeu jogos no primeiro ano de vida além de ganhar o prêmio de maior inovação em entretenimento de 2017 pela Popular Science. Com toda essa positividade o Nintendo Switch se torna um dos aparelhos mais queridos pelos fãs de Nintendo, e que ainda vai nos surpreender muito durante os próximos anos.

Retornar para linha do tempo

E aí, gostou do conteúdo especial? Para não perder nada, curta e acompanha nossa Página no Facebook.

você pode gostar também